domingo, 16 de novembro de 2014

7º Chamado do GEMA

Por Lucas de Paula*
Resistindo há mais de 6 anos, o GEMA fez no dia 1 de novembro seu 7º chamado para novos membros. Com um número de membros internos bem menor do que possuía nos seus primeiros anos – atualmente 6 –, o grupo procura agora novos integrantes para que possa sobreviver ao ano de 2015, visto que 3 dos 6 atuais sairão da escola. A reunião de 'iniciação' foi feita de uma forma jamais vista antes no grupo, com um tom meio sombrio, o que combinou com a data de Halloween que antecedeu o dia da Reunião de Chamado. Antes de entrar na sala todas as pessoas foram vendadas e logo em seguida guiadas em forma de trenzinho, passando pela Trilha das Sensações.




A trilha das sensações funcionava da seguinte maneira: os novatos eram introduzidos a um caminho com diversos tipos de coisas pelo chão, as quais através dos pés iam sentindo e descobrindo o que eram. A primeira delas eram folhas secas. Em seguida havia pedras e logo depois areia. Depois, alguns colares enroscados e por último, uma panela de barro com água.


Enquanto eles passavam pela trilha e sentiam tudo com os pés, nós passávamos velas acesas em seus corpos, ativando a sensibilidade não só nos pés, mas no resto do corpo também. Após terminarem a trilha, falamos ao ouvido deles que deitassem no chão. Tudo isso enquanto músicas bastante tranquilas tocavam no ambiente. Após eles se deitarem, em cada um passamos as velas pelo corpo e colocamos as pedrinhas – que antes estavam no chão – em suas mãos. Fechamos lentamente as mãos deles para que sentissem bem as pedras. Todas essas coisas acompanhadas de uma massagem bem relaxante e um banho de água em seus pés e mãos.


No meio da cerimônia ousei um pouco e decidi por dizer algumas palavras. “Isso, sintam a sensação... Relaxem. Sintam tudo. Tá gostoso né?!” Logo em seguida percebi o quão engraçado e ambíguo pareceu a última frase, fazendo com que eu segurasse o riso e torcesse para que mais ninguém percebesse a minha gafe. Àquela altura me perguntei se os novos membros não estavam com medo. Eu estaria. Deviam estar pensando se aquilo era algum tipo de seita satânica. Ou se em dado momento sofreriam algum abuso... Afinal, que tipo de grupo manda os membros RECÉM CHEGADOS ficarem vendados no escuro e se deitarem? Eu teria medo. Certa hora me vi massageando alguns pés que descobri estarem imundos. Devíamos ter imaginado que isso seria o resultado da mistura de água e terra espalhadas pelo chão sujo da sala de vídeo. Combinação perfeita. Depois de um bom tempo mandamos os novatos se sentarem, ainda vendados, e começamos a bater fotos com eles, ainda no escuro, sem que eles soubessem.



Ao tirarem as vendas, uma das novatas estava chorando. E eu fiquei feliz por isso. Essa era realmente a intenção. Fazer com que aquelas novas pessoas que estavam aderindo o grupo sentissem tudo, por mais que essas sensações acabassem sendo postas para fora através de lágrimas. Queríamos que elas sentissem todas as emoções. Que aquela música relaxante, a areia, a água, o fogo, as pedras e a massagem realmente ativassem suas sensibilidades e as fizessem remontar ao seu passado, ou até mesmo ao presente. Embora possa doer, temos que encarar nossas dores de frente. Só assim podemos nos livrar delas e enfim seguir. É doloroso, eu sei. Mas depois que você se livra tudo fica mais fácil, mais leve. Mayla, membro que atualmente faz faculdade no IFCE, abraçou e consolou a novata que estava chorando.


Uma roda de debate se iniciou, ainda no escuro, e membros que já saíram da escola, membros internos atuais e membros novatos se misturaram numa inspiradora conversa, onde pôde ser dividido experiências e vivências. Embora épocas bastante diferentes, todas muito parecidas quando se tratava de ser GEMA. Enquanto nós falávamos sobre o que já tínhamos passado com o grupo, os novatos falavam o que tinham achado da reunião e o que esperavam encontrar ali.




“Ela é doida [...] Ele também é doido [...] Vocês são todos loucos!” Foi o que disse uma das novatas após passar 30 minutos com a gente. Imagino o que ela vai estar dizendo daqui há um ano caso continue no grupo. Ou vai ficar louca como a gente ou então eu não sei. Parece que ter um parafuso a menos é pré-requisito pra fazer parte do GEMA, apesar de não existir exigência alguma para entrar no grupo.

Ao final da reunião foi feita a apresentação artística de Time of My Life, dança clássica de Ritmo Quente, e isso aqueceu a todos, terminando a reunião em ritmo de festa com todos dançando das maneiras mais esquisitas possíveis pela sala. E eu digo esquisitas não num sentido pejorativo. Ser esquisito é ótimo. É não se importar. Ninguém se importava se o outro estava dançando da pior maneira do mundo, afinal, ele também estava. Todos só queriam se divertir. Acredito que depois daquela reunião, os novatos puderam perceber o que significa fazer parte deste grupo. E acho que serviu até para nós mesmos, membros veteranos, nos lembrarmos.

* Lucas de Paula
Estudante do 2º ano do Ensino Médio
Atual Presidente do Grêmio Estudantil do colégio Adauto Bezerra
Membro efetivo do GEMA.

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Campanha: abrace uma árvore!

Há duas semanas foi lançado pelo professor Henrique Gomes o seguinte desafio: bater fotos com árvores. Quaisquer que fossem, desde que o foco principal na foto não fosse você, mas sim a árvore. Pensando nisso, decidi então por voltar para o começo do meu ensino médio, onde visitei a Praça Argentina, no Bairro de Fátima, durante uma aula de Francês do professor Franzé. Uma praça bonita, porém mal cuidada. Naquela aula ele havia nos mandado correr pelo local e abraçar as árvores. Ao correr de encontro com a escolhida, uma enorme sensação de plenitude tomou conta de mim, ao mesmo tempo que o vento bagunçava o meu cabelo e o dos meus colegas. O tempo passava tão lento enquanto corríamos que eu senti como se estivesse em câmera lenta. Naquele momento nós éramos infinitosdiria Charlie de As Vantagens de Ser Invisível. Após a abraçarmos, todos comentaram o quanto se sentiram bem durante o percurso até ela. Me surpreendi, pois achei que tal sensação havia acontecido apenas comigo.

Na época eu bati algumas fotos com a árvore abraçada, mas prefiro não mostrar porque é aquela típica foto queima-filme. Hoje visitei o espaço para bater uma nova foto, quase 2 ano depois, e pude perceber que a praça ainda possui os mesmos problemas do ano passado. Folhas sem serem recolhidas e lixo em várias partes do âmbito. Bancos quebrados. Árvores sem serem podadas, prejudicando a iluminação pela noite. A pintura da quadra ainda sem retoques. E além de tudo isso já existem árvores secas, sem cuidado algum. São árvores cheias de frutos e de vida que, infelizmente, estão sendo ameaçadas devido a falta de reparos.

Essas árvores precisam de atenção. Não só no sentido de manutenção. Experimente abraçar uma. O professor Franzé sempre diz que as árvores falam com a gente, que elas tem sentimentos. Alguns o acham louco. Eu o acho humano. Dizer que as árvores entendem a gente soa tão poético. E toda poesia é baseada numa realidade. Experimente passar uma tarde toda sentado de baixo da sombra de uma delas, em algum lugar afastado da cidade onde só haja o barulho do vento passando. Vez ou outra lembro daquela árvore que uma vez havia me dito que muita coisa mudaria. E mudou. Não só o meu cabelo.

sábado, 25 de outubro de 2014

Papo em dia - Política

O GEMA sempre  demonstrou que não era um grupo que debatia meio ambiente através da ótica reducionista. Desde o princípio o grupo busca trabalhar com seus membros a visão holística, ou seja, trabalharmos meio ambiente como um todo, reconhecendo e vendo as conexões desse tema com os diversos outros assuntos.

Então, o debate ambiental, pela perspectiva sistêmica, não é possível sem mencionarmos, também, política e diante de um cenário político tão conturbado que estamos vivendo agora decidimos causar uma intervenção.

Proposto pelo Tiago, um dos primeiros membros do grupo, a ideia era debatermos sobre o voto nulo ou sobre o cenário político com as declarações de voto de ódio, porém, pela intervenção do Prof. Henrique, acabamos fazendo um diálogo muito mais amplo e de uma forma simples, uma conversa.

Conversa essa que permitiu que cada um de nós, participantes do vídeo, se sentisse mais a vontade para falar e expor de forma mais clara suas ideias. Acabou que conseguimos pelo vídeo trazer a tona um outro objetivo do GEMA que é retirar a remela dos olhos da gente e de quem ver o vídeo e quem sabe até conseguimos despertar "tesão cognitivo".

Espero que tenhamos conseguido despertar em você, que acompanhou o vídeo até o fim, a vontade pela reflexão sobre nosso atual cenário político e o interesse pelas ideias do grupo e a forma como nos mostramos. Esse vídeo foi só o primeiro...

Lucas Gonçalves Monte
Membro do GEMA


domingo, 5 de outubro de 2014

Porto do Pecém, a convite do Henrique.

Convidado pelo professor Henrique Gomes, viajei para o Porto do Pecém, numa aula de campo do turno da noite. A primeira parada antes de chegarmos ao Porto foi na Barra do Ceará, onde pudemos descobrir – através dos excelentes professores – sobre o espaço onde estávamos. A Barra do Ceará é um ponto histórico no estado, foi lá que Pero Coelho iniciou a colonização do território. Socialmente falando, a Barra é bastante desvalorizada, há um enorme preconceito em torno do bairro. O que é algo totalmente equivocado, visto que é ponto histórico e além do mais, possui uma paisagem que pode ser considerada até mesmo mais bonita do que a da Beira Mar de Fortaleza.



Saindo da Barra, a segunda parada foi no Porto do Pecém, principal ponto de estudo da aula de campo. Pecém foi escolhida para ser feito o porto devido a sua condição geográfica, com menor tempo de trânsito entre Brasil, Estados Unidos e Europa. Demoram apenas 7 dias para as mercadorias saírem e chegarem. Não podendo sair do ônibus – devido ao fato de que todos precisariam de uma roupa especial – seguimos dentro dele a viagem pelo porto. O guia, Jackson, explicou como funcionam as coisas por lá. Imagine o Terminal da Parangaba, pronto. É isso, o Porto do Pecém funciona mais ou menos como um terminal de ônibus, só que ao invés de passageiros, os navios transportam mercadorias. Mercadorias estas vindas de vários cantos do mundo, como por exemplo, África, Estados Unidos e Alemanha. É também no Porto do Pecém que são feitos os procedimentos de Regaseificação de GNL (Gás Natural Liquefeito), ou LNG (Liquified Natural Gas).




O Terminal regaseifica 7 milhões de metros³ por dia, através de um navio metaneiro. Esse navio se utiliza de braços fixos e um sistema de tubulações e válvulas criogênicas, resistentes a até 162º C negativos. Esses equipamentos pegam o gás líquido que está no navio supridor e o transfere para o navio regaseificador, o qual faz todo o procedimento de regaseificação, transformando o gás líquido para o estado gasoso.

Durante o tour, consegui avistar de perto as hélices que formam os aerogeradores do parque eólico. E de longe, pude avistar o próprio parque eólico. De onde eu estava os aerogeradores pareciam tão pequenininhos. Já as hélices as quais eu via de perto, e veja bem, apenas as hélices, eram gigantescas. Imaginei quão grandes deveriam ser os aerogeradores como um todo.

(Hélices dos aerogeradores)


Após terminarmos o tour pelo Porto e irmos para a parte da praia, pudemos descer do ônibus e fomos para de baixo do píer, onde tivemos uma aula sobre os espigões. A paisagem da Beira Mar hoje é composta de espigões e mais espigões, os quais são feitos para desviar a água do mar para o centro e impedir que ele avance nos prédios – parte de uma desenfreada (e sem preocupação alguma com o meio ambiente) urbanização. O problema é que esses espigões sempre terão que continuar sendo construídos, uma vez que a água do mar sempre arranja uma forma de avançar, e aí tem de ser feito outro espigão. E depois outro. E outro. Se os espigões fossem construídos com colunas ao invés de pedras – que atrapalham o fluxo da água – não teria problema nenhum. Do modo como estão sendo construídos, provoca e aumenta a erosão marinha nas imediações próximas da localidade. Tudo isso acaba não só destruindo a bela paisagem litorânea, como também gerando algo como um “efeito dominó”.


Ao voltarmos para o ônibus, o diretor Otacílio adentrou o veículo minutos depois do restante e deu um discurso inesperado. “Galera, quero pedir que vocês saiam do ônibus agora e ajudem a empurrá-lo, porque ele quebrou”. Agora essa! O dia estava tão bom. Então eu estava lá: no meio do nada, com um ônibus quebrado, dor de cabeça e uma fome avassaladora que só aumentava, visto que já estava passando do horário de almoço. Saí do ônibus e os esforços para empurrá-lo eram em vão. Então escutamos um dos professores dizer que logo logo iria chegar outro ônibus. Os alunos voltaram para dentro e apenas alguns continuaram do lado de fora. Avistei o professor Henrique conversando com André e Diego, sentados em algumas pedras no topo do pequeno morro que se formava de frente para o mar. Me aproximei e sentei ao lado deles. Enquanto esperávamos pelo ônibus, dividimos experiências. Principalmente o professor Henrique, que nos revelou boas histórias. E que histórias! Enquanto isso, o diretor Otacílio fotografava um coqueiro, um pouco longe de nós, perto da orla da praia. Ele deve ter batido umas 100 fotos só daquele coqueiro. Deu tempo compartilharmos toda a nossa vida e ele ainda estava lá, fotografando o tal. Do meio para o fim da conversa, uma aluna da noite, Thalia, se aproximou e juntou-se ao nosso papo.



Depois de quase uma hora – que o motorista jurou que seriam apenas 5 minutos – chegou outro ônibus e nos transferimos para ele. Sentei ao lado de Thalia e conversamos mais um pouco, até chegar no restaurante de Pecém onde iríamos almoçar. Que cidadezinha mais linda! E o restaurante tinha um ambiente bastante agradável, o qual dava para se ver o mar. Após o almoço fomos para a Lagoa Cristalina. Todos desceram menos eu, que continuei no ônibus por algum tempo, devido à tremenda dor de cabeça que insistia em continuar. Me sentindo um pouco melhor, desci e fui para a lagoa onde os outros estavam. Que lugar maravilhoso. Eu não tinha levado roupa de banho e nem queria me despir na frente dos outros. Iria ficar por ali mesmo, só olhando. Porém, não aguentei e me joguei na água com toda a roupa que eu estava. Não queria nem saber. Não demorou muito para as brincadeiras começarem e entrei numa briga de galo com os alunos da noite. Passado algum tempo, Henrique nos chamou para ir embora e ao me ver saindo da água completamente encharcado perguntou: “tu trouxe outra roupa?”, e respondi com um sorrisinho enquanto balançava a cabeça negativamente: não.

De volta para o ônibus, Henrique deu as considerações finais e cada um teve de escolher uma palavra para definir aquele dia. Aprendizagem, divertido, interessante, inesquecível... Essas foram algumas. Ao final da tarde, voltando para a escola, percebi que apesar de ter sido um dia bem agradável, aprendi mais do que me diverti. Ao aceitar ir para a aula de campo, eu havia aceitado porque adoro viajar e conhecer novos lugares, não estava nem de longe visando se iria aprender algo. Não esperava que fosse aprender tanto. Realmente, foi uma experiência única.

Lucas de Paula


terça-feira, 15 de julho de 2014

A Copa do Mundo Fifa Brasil 2014 Acabou



Em 2007 foi anunciado o Brasil como pais sede do Mundial de futebol, TODO  MUNDO  vibrou, celebrou, festejou, fizemos todos os “ous” possíveis.
O Governo falou em mega investimentos, nos modais de transporte, portos, aeroportos, no transporte publico, falou-se também em mobilidade urbana, viadutos, túneis, um investimento jamais visto na historia deste pais.

Em 2009 foram anunciados as “rumas” de cidades cede, 12 no total, que são elas: Manaus ( porque queríamos uma sede na Amazônia), Fortaleza, Recife, Natal e Salvador ( sol, praia e ... bem deixa pra lá ) Cuiabá ( porque queríamos uma sede no Pantanal ) Brasília ( capital do Brasil, centro do poder Administrativo e coisinhas a mais), São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte ( Centro do poder Financeiro do pais, Rio de Janeiro e Café com Leite ) Curitiba e Porto Alegre ( Europa e Chimarrão  ).
Mas especificando na nossa querida cidade de Fortaleza Capital do Ceara, todo mundo vibrou com a escolha, (até eu vibrei) oxe, não é todo ano que vem um evento deste porte, grandes seleções grandes jogos.

Mas ao decorrer de 2009 até 2014 quase nada foi feito dos mega investimentos. Certo remodelarão o Estádio Plácido Aderaldo Castelo ( o Castelão ) um túnel  em frente ao estádio, alagaram uma Avenida, um quase metro, e Meio VLT, ah e um Puxadinho no Aeroporto Internacional Pinto Martins, um pouco revoltante Né? Que tal protestar ir pras ruas reivindicando os gastos, superfaturamentos nas obras e tudo mais, vamos aproveitar os megas investimentos e pedir mais Educação, Saúde, Segurança, Laser coisas pra sociedade, é isso ai ou então não vai ter Copa! Ops teve copa. . .

O governo fez o que a Entidade pediu, um estádio, segurança visual por um mês, Feriados nos dias  jogos nas cidades ( opa Feriado pronto tai gostei ).
Seremos bem realistas, por favor, no caderno de encargos da Entidade, falava-se em investimentos na Educação, saúde e segurança ( nestes dois últimos pode ate ser)?
Se a gente, nois massa que se diz ser revolucionária não quiséssemos essa Copa, teríamos que ter ido pras ruas  em 2009, pois também nesta época foram divulgados os gastos com os estádios .
Copa pra quem? Pra min! Que assisti a todos os jogos e achei massa pra C@#$%&*
Mais Pão e Menos Circo? Mais pão sim pra toda população, mas, também não vou dispensar um circo.

Obrigado Shakira pelo encerramento.
Obrigado Fifa por esse belo Circo.


Que venham as Olimpíadas, ou Não vai ter Olimpíadas?


Diego Costa Lima

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Seis anos de GEMA

"Às vezes a gente tem que fazer escolhas para o nosso bem próprio e para o bem dos outros. Às vezes fazemos coisas que não seriamos capazes de fazer, em prol dos outros, porque amamos algo ou alguém. E é assim na vida e no GEMA, a gente faz coisas que até duvidamos, porque acreditamos no grupo.

O GEMA é um recorte da nossa vida cotidiana. Às vezes muito semelhante, às vezes não, mas no fim das contas a gente sempre consegue fazer uma comparação.

No grupo, que por mais que seja mais de afetividade do que estudos, encontramos gente de todo jeito. Aqueles em que se pode confiar, aqueles que sempre se tem um pé atrás. Têm aqueles que você faz de amigos para sempre, e têm os que se mantem sempre distante, mas casa um dá o que pode e a gente recebe como pode também. E assim é a vida.

Penso que o GEMA é o estágio que a gente tem que passar para ser uma boa pessoa durante toda a vida e aqueles que tiveram a experiência de passar pouco tempo conseguiram captar nossa mensagem que sempre chega de uma forma sutil.

Bom seria que todas as pessoas passassem por esse estágio e percebessem que a vida vai muito além do que se vê.

E uma mensagem para a vida? Sejam felizes sempre ou enquanto puderem. A felicidade anda escapando das mãos de muitas pessoas por inúmeros motivos que nós mesmos vivemos dia a dia.

Ser GEMA é viver um pouco de cada experiência que a vida nos proporciona e saber aproveita-la.


E como não poderia faltar: não engravidem."

Evelyne Lima




domingo, 13 de abril de 2014

Vamos falar de Marco Civil da Internet?




Recentemente em 25 de Março de 2014 foi aprovado na Câmara dos Deputados em Brasília, o Marco Civil da Internet, surgida no final de 2009, para regular o uso da Internet no Brasil, por meio da previsão de princípios, garantias, direitos e deveres para quem usa a rede, bem como da determinação de diretrizes para a atuação do Estado, a mesma será votada no Senado e irá passar pela Presidente da República para aprovação.
Creio eu que os caros leitores desse blog já tenha pesquisado sobre o assunto, se não, deixa eu esclarecer alguns fatos: 
  • ·      O projeto de Lei 2126/11 conta com 25 artigos, dividido em 5 capítulos divididos em: Disposições preliminares; Dos direitos e garantias dos usuários; Da provisão de conexão e aplicações da Internet; Da atuação do poder público; e Disposições Finais.
  • ·         O Marco Civil traça limites para que no Brasil nenhum órgão do Estado, de inteligência ou não, tenha autorização para cometer abusos. O Marco Civil impede que a ABIN, a polícia federal ou qualquer ente estatal tenham os mesmos poderes que a NSA ou o GCHQ.
  • ·   Visando proteger seus interesses econômicos, muitos provedores de acesso (ISPs) introduziram práticas ilegais ou prejudiciais ao uso da Internet, principalmente o chamado traffic shaping (o uso obrigatório de telefone para conexões, o que diminui a velocidade de trafego da internet).
  •  ·   O Marco Civil estabelece como regra que um conteúdo só pode ser retirado do ar após uma ordem judicial, e que o provedor não pode ser responsabilizado por conteúdo ofensivo postado em seu serviço pelos usuários. Com isso, o projeto pretende evitar a censura na internet: para se provar que um conteúdo é ofensivo, o responsável deve ter o direito ao contraditório na Justiça (com exceção de conteúdos de pedofilia, racismo ou violência explicita).
- Bem, essas são algumas coisa que o Marco Civil trará a vida do brasileiro porém, contudo e com toda via, há controversas, algumas pessoas estão contra o Marco e isso esta gerando uma “polêmica” (porque eu perguntei a algumas pessoas e elas pensaram tudo, menos que isso era um projeto de Lei.), aqui vão alguns argumentos: 

  •          Os Provedores de acesso terão a obrigação de armazenar tudo que você coloca na web, sim TUDO (textos, imagens, conversas em rede social, downloads e coisas do gênero), ou seja, vão rastrear e guardar o que você faz na internet.
  •         Com a aprovação total do Marco Civil, o governo pretende criar a legislação na internet brasileira, sendo assim, algumas coisas irão sumir de nossa internet, muitos criticam pelo fato da maioria dos protestos acontecidos no período de 2013 foram marcados por redes sociais, dependendo das circunstâncias, irão ser banidos e os lideres poderão ser punidos.
  •       Os provedores irão ter mais liberdade para aumentar o preço de seus serviços e aumento na hospedagem de sites.
  •   A distribuição de net será de pacote, ou seja, não iremos pagar por velocidade de conexão e sim por pacotes, que nem sua tv por assinatura quando pedem um valor “x” para que você tenha acesso ao canal Premium de filmes (Ex: Pacote a Acesso a Redes Sociais, Acesso a Vídeos, Acesso a E-mail). 

    Tudo que patrulha direitos e ameaça a individualidade e a coletividade, nos do GEMA estamos atentos, denunciando e procurando gerar reflexões.

    Por: Gustavo Saraiva Santiago.
     
Ocorreu um erro neste gadget